Menu
Fechar

Envie seu trabalho!

Preencha com seus dados e envie o arquivo em pdf.
Nome

E-mail

Escolha a seção

Enviar arquivo (.pdf)

Voltar

Duas estrelas


Arilza nasceu em Itapira. Odila em Porto Feliz! Apesar da distância que as separavam (cerca de 151 km), Arilza e Odila tinham algo em comum. A paixão pelo basquete.  Juntas, elas colecionam histórias e títulos a frente da Seleção Brasileira Feminina.

Entre as principais conquistas estão bicampeonato Pan- Americano e medalha de bronze no Mundial de 1971.

Arilza Coraça

Natural de Itapira, no Interior, Arilza teve dentro de casa o apoio para seguir carreira no basquete. “Minha maior incentivadora foi minha irmã, Antônia Coraça.”, conta Arilza.

Sua trajetória vitoriosa foi marcada por muita luta. Quando começou a carreira, Arilza lecionava aulas de educação física e, à noite, treinava no extinto clube da Pirelli. Após concluir a faculdade, prestou concurso para dar aulas em Santo André, foi aprovada e se mudou definitivamente para a cidade. Foi professora por 30 anos.

Atualmente, Arilza é a única mulher no comando de uma equipe que disputa a Liga de Basquete Feminino (LBF) da temporada 2021. “A atleta mulher sente mais dificuldade do que o atleta homem em qualquer país. E no Brasil a diferença é gritante, porque muitas vezes o preconceito começa na família, o tabu se inicia em casa. Já aconteceu de eu descobrir menina talentosa e os pais não deixarem treinar porque queriam a formação dela como preparação para o lar, para cuidar da casa. Hoje mudou, melhorou, mas existe muito tabu e tratamento diferente.”, desabafa.

Odila Fernandes D´Agostino

Nascida em Porto Feliz, Odila começou sua trajetória no esporte aos 14 anos, no time Brand Basquete Clube, da sua cidade natal.

No ano seguinte, em 1965, foi convocada para disputar o Campeonato Mundial de Basquete e cortada. Mas ela não deixou se abater.  vez de se abater. Pelo contrário, o fato dela ter sido cortado foi uma motivação a mais para conquistar seu primeiro Campeonato Brasileiro, por Porto Feliz, em 1966.

Em 1968, foi a vez de Odila ganhar uma medalha pela Seleção Brasileira. Foi Campeã, no Chile, do Campeonato Sul-Americano.

Dois anos depois, uniu a paixão pelas quadras com uma outra: a de lecionar, onde em 1970 começou a trabalhar na Prefeitura de Santo André.

Seis anos depois, encerrou a carreira no esporte. E em 1995, aposentou-se como coordenadora de serviços de Educação Física na Prefeitura de Santo André.

Live

Nessa quinta-feira, dia 9 de setembro, Arilza e Odila vão estar juntas, novamente, numa live comandada por Claudia Guedes. O bate-papo acontece no instagram @mulheresacesta a partir das 20 horas. Não perca.

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS
A CBB apoia este site

CBB
© Copyright 2020 - Mulheres à Cesta. Todos os direitos reservados. O conteúdo deste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido, ou usado, exceto com a permissão prévia por escrito.
Fale conosco – [email protected] - Site by Miss Lily.
Utilizamos cookies para melhorar sua experiência on-line. Ao continuar a navegar no site, você concorda com a nossa "Política de privacidade"
Você pode retirar seu consentimento a qualquer momento, alterando a configuração do navegador e removendo os cookies armazenados. Saiba mais.
Concordo